26/08/16

GLORY


Hoje (26/08) o tão esperado retorno de Britney Spears está finalmente acontecendo, depois de 3 - ou 5 - anos, ela lança seu novo álbum de estúdio que, como o nome já diz, celebra toda a sua glória e poder na música pop. O álbum tem uma qualidade a nível de princesa do pop que não víamos desde o icônico Blackout (2007). A sucessora do trono se joga sem medo em diversos estilos, temas e até idiomas nesse álbum , um verdadeiro mix de tudo o que a gente não esperaria de um artista pop qualquer. O álbum que promete ser o retorno definitivo da Britney do In The Zone (2003) conta com 17 músicas na versão deluxe - sendo 7 compostas por Britney -, à vemos se arrsicar em reggae, pop-smash, mid-tempos, baladas, francês e até espanhol, segue a lista:

1. Invitation:
A faixa que abre o álbum é uma balada completamente suave e angelical, como não víamos desde Everytime (2003) e My Baby (2008). Britney nos convida a conhecer o disco da melhor forma possível, entregando os mais suaves vocais que só ela sabe usar.
"Here's my invitation baby, hope it will set us free [...] I just need you to trust me"

2. Make Me (feat. G-Eazy):
O carro-chefe do álbum, e também a única parceria dele. Mais uma vez trazendo vocais suaves, porém se entregando a um pop moderno com teor altamente sexual. A música tem grande potencial comercial mas não deixa de lado valores únicos, mesmo seguindo o estilo atual da música pop - The Weeknd, Selena Gomez, Justin Bieber - não deixa a desejar e esbanja qualidade. Os versos do rapper G-Eazy apimentaram ainda mais a produção, que vai ser performada no VMA desse domingo (28).
"Cause you're the spark that won't go out, my heart's on fire when you're around"

3. Private Show:
Trazendo de volta os empoeirados vocais graves vistos nos teen-pop ...Baby One More Time (1999) e Oops!..I Did It Again (2000). A canção sobre um show-privado em batidas 2000's pop com elementos de jazz, tem algo que a deixa diferente de todo o resto da produção, talvez a mais fraca do álbum, porém ainda superior à maioria encontrada no trabalho anterior do catálogo da Britney.
"Oh my God, that's spetacular. My encore is immaculate"

4. Man On The Moon:
Mais uma vez, algo completamente diferente do que esperaríamos da princesa do pop, uma balada obscura e açucarada ao mesmo tempo. Britney entoa refrões sobre um amor que vive no mundo da lua, cantando também em francês durante a bridge.
"Patience darling, wait for the night. Darkness comes and love comes to live"

5. Just Luv Me:
Na quinta faixa do álbum vemos algo bem semelhante ao restante do mundo pop nos últimos 2/3 anos, entretanto soa diferente como qualquer outra coisa que Britney já tenha feito. Uma redenção às tendências atuais que promete dar tão certo quanto as faixas EDM do Femme Fatale (2011). A balada romântica-sexual composta por Julia Michaels e Justin Tranter tem sido a favorita dos fãs até agora, especulações de que também seja o segundo single do disco.
"You ain't gotta say it, I know that I'm worthy"

6. Clumsy:
Trazendo um bocado de batidas eletrizantes, é uma club-banger em potêncial, porém considerada fraca em relação às suas irmãs de álbum. Letra divertida, instrumental grudento, vocais casualmente robóticos e o ponto alto: "Oops!" que antecede o seguimento de batidas.
"Call me a fool, call me insane. [...] Closer yo you, closer to pain, it's better than far away"

7. Do You Wanna Come Over?:
A filha de (I Got That) Boom Boom (2003) e Everybody (2007) é outra música feita para as pistas de dança, dessa vez com refrão mais elaborado e - diga-se de passagem - melhor qualidade. Completamente grudenta e pop, contém duplo sentido, vocais destacados e ainda assim, um instrumental imensamente eletrônico, o que nos lembra, novamente, "Blackout".
"Nobody should be alone if they don't have to be"

8. Slumber Party:
No maior estilo "Side To Side" - da Ariana Grande -, um mix perfeito de pop e reggae com uma letra - mesmo que explícita - super-freshy. Versátil o suficiente pra animar uma balada ou um dia relaxante na beira da praia. Basicamente sobre curtir e não pensar no amanhã, é exatamente essa a sensação que a música traz ao ouvinte, uma das melhores do álbum e de todo o catálogo da Britney.
"We use our bodies to make our own videos. Put on our music that makes us go fucking crazy, oh"

9. Just Like Me:
Potencial não-tão-grande como as outras do álbum, porém valiosa pela pegada acústica, o violão ao fundo e a letra simples e intimista, provavelmente autoral. A nova "She's Not Me" não traz muitas expectativas para um single, por exemplo, mas daria uma maravilhosa performance acústica ou até um bônus numa versão exclusiva do álbum.
"I see you in my back and I just can't believe, she looks just like me"

10. Love Me Down:
Me arrisco, novamente, a dizer que é uma das melhores do álbum, é algo que naturalmente esperaríamos de popstars mais recentes, como Rihanna, por exemplo. Letra catchy, refrão repetitivo e dançante, batidas atrás de batidas, parece uma versão melhorada dos singles do "Femme Fatale", torcendo pra que ganhe vídeo.
"You're playing with fire and you like it, a little bit dangerous"

11. Hard To Forget Ya:
Letra completamente icônica, versos que merecem ser eternizados na carreira da princesa do pop. Teor sexual extremamente carregado de batidas frenéticas e uma pegada dark-edm como, novamente, no "Blackout". Os ecos no pré-refrão dão um toque a mais na produção digna de performance com direito à coreografia e muitos dançarinos.
"As I tongue your body, sexy features so iconic and I just can't keep my fingers away"

12. What You Need:
Lembra bem daqueles agudos ácidos da Britney entre 1999 e 2001 - e também da marcante porém única aparição em "Hot As Ice", de 2007? Estão de volta aqui, em uma up-tempo com pegada 60s rock. Já da pra imaginar uma performance dessa música com microfone de mão e o icônico figurino de Elvis Presley - que ela já usou, na capa do DVD da "Dream Within A Dream Tour" (2002). O climax chega no fim da música, o que é um ponto negativo, faz parecer curta demais, mas nada que tire o brilho da produção e dos vocais presentes.
"I got what you want, I got what you need. Bringing out the fire inside of me"

13. Better:
Na primeira vez que toca, pode passar ~despercebida~ dentre as outras bombásticas faixas do album, mas depois de duas ou três vezes, o tiro é certeiro. Cara de smash hit do verão estadunidense, sexy, grudenta, batidas suaves e doces. Mais uma vez, é Britney trazendo o melhor de um segmento, daquele jeitinho que só a realeza sabe.
"Gotta open up, cause it feels much better, when we open up, for each other"

14. Change Your Mind (No Seas Cortés):
Instrumental com pegada latina pra combinar com o espanhol nos backing vocals e na bridge. Letra bacana, idioma diferente, batidas contagiantes, é a melhor mistura de pop com música latina alá Shakira, smash no ponto.
"Yo sé que estás intentando ser educado, yo sé que me quieres tratar bien, pero no seas cortés"


15. Liar:
A segunda faixa explícita do álbum, imprime uma completa e elegante vingança, aquele pisão no ex sem descer do salto. Seria uma resposta pra Justin-chorador-de-rios-Timberlake? Se sim ou se não, a letra se encaixa perfeitamente, incluindo a parte em que Britney canta "Estou à direita das cinzas das pontes que você queimou" (Justin em "Cry Me A River": "Só restam cinzas das pontes que queimou"). Uma das letras mais poderosas de toda a produção, batidas viciantes e vocais marcantes resultaram em um hit em potencial. Britney, por favor, lance como single! Um vídeo como o original de "Make Me" - até o momento, descartado - seria a palavra final em todas as polêmicas que penduram há mais de uma década.
"You can cry, cry, cry, you ain't fooling anyone [...] I'm not fuckin' with you dirty laundry"

16. If I'm Dancing:
Britney se jogando no pancadão? Tem sim! Dá pra acreditar? Pois é real, e muito, muito bom. A pesar de não trazer uma das melhores letras do álbum - na verdade, é meio non-sense - tem elementos de funk brasileiro - sim! - mixados com sintetizadores eletrônicos ao nível "Femme Fatale", outra club-banger que merce ao menos uma performance.
"One look at him and I see candy-coated heart shapes"

17. Coupure Électrique:
Aqui uma música inteira em outro idioma, algo inédito em sua carreira. "Blackout" em francês é, assim como o título, cantada completamente em francês. A letra lembra vagamente os poemas escritos pela Britney alguns anos atrás, com instrumental obscuro e muito moderno, a letra se encaixa suavemente nos 2 minutos e pouco de música.
"Comme une coupure électrique. T'es la lumière"

Nota final: 92/100
Britney está de volta, e melhor do que nunca.

  • Compre o disco no iTunes: LINK
  • Ouça no Google Music: LINK
  • Ouça no Apple Music: LINK
  • Ouça no Spotify: LINK



26/07/16

Coração Cigano


   Eu não pertenço a lugar algum.
   Eu não me encaixo em lugar algum.
   Enquanto tenho o mundo em minha volta.
   Enquanto a minha casa for em todos os lugares.

   Não é que eu seja um alguém de nada nem ninguém, é só que eu me vejo refletido em cada cantinho em que se ache amor. Eu não escolho deixar todos que eu amo pra trás, eu não escolho trilhar um caminho diferente, mas o meu coração cigano não se contenta em um mesmo lar por todos os seus dias. O meu arco-íris tem bem mais do que sete cores.
   Não é que eu não queira ter um lar, um abraço pra me envolver todos os dias, mas não me culpe por não saber como planejar meu futuro ou saber até onde essa estrada pode me levar. É que por aqui, as coisas são um tanto mais complicadas, lidar com esse coração rebelde é mais difícil do que parece. É que esse coração cigano não sabe, não tem nem noção do que quer, do que sente, do que precisa. Enquanto isso, ele segue mudando, de galho em galho, de cidade em cidade, de coração em coração, em busca de algo que ainda não sabe o que é.

   Talvez você possa explorar esse universo comigo.

   Me pergunte de onde vem esse amor e precisará senti-lo para descobrir, então poderemos juntos desbravar sentimentos por aí. Chamar a estrada de lar, sem precisar assinar termo, entrelaçar dedos ou esconder sentimentos. Esse coração não faz acordos, não limita-se e menos ainda se encaixa em algo ou alguém que o prenda. Esse meu coração, é cigano, e tem sede de tentar.

15/06/16

The Veronicas: In My Blood


O novo single "In My Blood" da banda The Veronicas foi lançada na última sexta (10/06/16) e promete ser um "re-divisor de águas" na carreira das irmãs australianas.

A sonoridade da banda, ultimamente pop/rock com pegada dark - e até meio punk - agora ganha uma nova roupagem: o novo single do próximo disco da The Veronicas é uma explícita redenção ao pop mainstream, elas estão de volta as pistas como nos hits "Take Me On The Floor", "Untouched" e "Hook Me Up". Com direito a refrão chiclete e batidas synth-pop repetitivas, o primeiro single do - ainda sem título - sucessor do "The Veronicas" lançado em 2014, traz de volta aquela vanda de que os telespectadores da MTV entre 2004 e 2008 estavam com saudade.


A temática usada na capa/photoshoot do single foi inspirada na personagem Mística, de X-Men. A intenção principal era criar algo chamativo e que destacasse a anatomia humana, em especial o corpo delas. Jessica e Lisa, que sempre foram alvo de "body shamming" por serem consideradas "magras demais", quiseram voltar o foco completamente aos próprios corpos dessa vez, pra incentivar e até demonstrar a própria aceitação delas em relação aos seus corpos.

"Nós temos seios e quadris, somos mulheres. Temos 31 anos agora e crescemos pra caramba. Seu corpo muda quando você chega aos 30, e estamos orgulhosas de não estarmos envergonhadas dessa capacidade.", Jess.

"A proposta foi muito bonita, dessa vez não teve nenhum "vocês são magras demais.", Lisa.

O videoclipe da música foi filmando em Los Angeles no último final de semana, agora as irmãs voltaram pra Austrália para o lançamento da produção, na próxima semana.

Curiosidades: 
  • As perucas verdes/vermelhas usadas no clipe da música foram criadas pelo mesmo time que cria as perucas da Sia.
  • A sonoridade da música e do álbum foi inspirada na Kylie Minogue.
  • A música foi produzida pelo duo DNA (Anthony Egizii e David Musumeci) que já trabalhou com elas em "You Ruin Me", de 2014.
  • Pro novo álbum, elas também trabalharam com a hitmaker Cathy Dennis, que co/escreveu "Toxic" da Britney Spears, "I Kissed A Girl" da Katy Perry e até "Can't Get You Outta My Head", da Kylie Minogue.


Ficou curioso e quer conhecer esse novo hit das pistas Australianas? É só dar o play:



24/03/16

Seu perfume


   Hoje, o meu tudo se torna o seu nada. O seu cheiro é a lembrança que restou na memória. Despedidas sempre são difíceis de encarar, mas hoje, eu não consegui te impedir de fechar as malas.

   Quando saímos da vida de alguém, devemos tentar não deixar bagunça, mas o seu perfume ainda está no meu lençol, o seu rosto ainda desbota na parede nas horas mais escuras. Sei que hora ou outra a sua imagem vai se desintegrar da minha mente fragmentada. Mas por agora, só quero poder enxergar sob as lágrimas. Não ouça o que tenho a dizer agora.

   Seus objetivos, nossos sonhos, guardados na mala, que tem o cheiro do seu perfume, o meu aroma preferido. Vamos seguir, temos que seguir, mas dessa vez, eu juro, não vou mais te perseguir.
 
   Deixo que leve contigo o meu eu, o meu tudo, por que este, já não quero mais. Tudo o que quero agora é me reconstruir, me reencontrar em mim, começar do zero, e esquecer o cheiro do seu perfume.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...